Como aprender mais rápido e melhor

7 de maio de 2017

man hands typing working with laptop on wooden desk.Com um mundo cada vez mais veloz e repleto de inovações disruptivas, precisamos encontrar formas de absorver o que há de novo para não ficarmos defasados em nossa área de atuação. Mas, em meio a tanta informação e conhecimento disponíveis, o que fazer para aprender mais rápido e melhor?

A primeira coisa que você deve ter em mente é que para aprender não precisa estar necessariamente matriculado num curso. A educação formal continua a ser imprescindível, no entanto sabendo fazer as perguntas certas, recebendo a tutoria de alguém qualificado – mesmo que a distância – e buscando fontes confiáveis você pode aprender praticamente qualquer coisa sem sair de casa. E o melhor, com um custo relativamente baixo.

Não estou pregando aquele autodidatismo de anos atrás em que alguém partia do nada e ainda tinha de se virar sozinho. Com as várias soluções tecnológicas que estão surgindo em decorrência dos avanços da computação cognitiva e curadores dos mais diversos temas dispostos a orientá-lo, cuidar do próprio processo de aprendizagem ficou muito mais simples.

Contudo, lembre-se de que as facilidades do mundo moderno só ajudam quem está realmente motivado para aprender. Sem o “para quê?” inexiste a curiosidade intelectual que se espera de um aprendiz, a ignorância do dia a dia não é vista como um mal e tampouco você encara os inevitáveis erros ao longo do caminho como parte do processo.

Também valorize a disciplina nos estudos. Sempre que começa a aprender alguma coisa pela primeira vez, ignora o assunto por completo, depois absorve um pouco sobre ele, na sequência já consegue realizar algumas conexões, depois passa a compreender onde estão as suas lacunas, mais adiante o domina e só, muito tempo depois, obtém a maestria. Os melhores estudantes são aqueles que evoluem um pouco todos os dias justamente porque estudam todos os dias.

E uma dica valiosa: preste atenção em como você geralmente aprende. Nem todo mundo retém conhecimento da mesma maneira. Há pessoas que são mais visuais, outras auditivas e há gente com perfil sinestésico.

Quem é visual, prefere estudar por meio de vídeos, leituras, imagens e gráficos. Já os auditivos gostam de ouvir palestras e histórias, participar de bate-papos e discussões e escutar podcasts. Por último, os sinestésicos aprendem mais e melhor se tiverem a chance de experimentar, sentir ou vivenciar o conteúdo adquirido na prática. Estas pessoas têm tato, olfato e paladar mais apurados.

Mas é claro que ninguém aprende somente por meio de um desses três canais. Como provou o professor Edgar Dale, em 1946, com a Pirâmide da Aprendizagem, absorvemos melhor um conteúdo ao combinarmos diferentes estímulos. Precisamos saber, é claro, por meio de qual deles conseguiremos o melhor resultado para ganhar tempo, porém é importante desenvolver todos os outros. Mas, como fazer isso?

Para desenvolver o canal visual: veja, pelo menos, um filme por semana; leia livros e folheie revistas; anote coisas que você julgar importantes; jogue damas, xadrez ou baralho; preste atenção à fisionomia das pessoas e procure apreendê-las em sua mente; e ao caminhar pelas ruas observe prédios, por exemplo.

Para desenvolver o canal auditivo: leia em voz alta; toque um instrumento; fale em público; escreva crônicas e poesias; preste atenção ao timbre de voz das pessoas; procure ser um bom ouvinte; decore citações de autores que você admira.

Para desenvolver o canal sinestésico: desenvolva habilidades manuais; pratique esportes; caminhe descalço sentindo os pés no chão; frequente uma academia de dança; exercite o olfato ao cheirar alimentos e perfumes; e, ao comprar uma roupa, teste-a com as mãos para verificar se é macia e confortável.

É claro que prestar atenção nisso tudo dá um bom trabalho! Todavia, depois de adultos, não aprendemos por acaso e sim pela decisão deliberada de evoluir. É por isso que devemos viver a máxima de Sócrates: “Só sei que nada sei e o fato de saber isso me coloca em vantagem sobre aqueles que acham que sabem alguma coisa”.

Palestrante e consultor empresarial especialista em Formação de Lideranças, Desenvolvimento Gerencial e Gestão Estratégica, também é professor universitário em cursos de pós-graduação. Mestre em Administração de Empresas, possui MBA em Gestão Estratégica de Pessoas e é autor dos livros "Líder tático" e "O gerente intermediário", ambos publicados pela Ed. Qualitymark.

Você também irá gostar de ler:

A onda da palpitaria Sempre lembro da história da mulher que chegou até o pianista Arthur Moreira Lima ao final de um concerto dizendo que jamais havia visto alguém tocar tão bem e que, se pudesse, daria a própria vida para ser genial como ele. E no mesmo instante ouviu o músico dizer: “Foi exatamente isso o que eu ...
Muitas empresas têm líderes, poucas têm liderança A imensa maioria das companhias conta com líderes à frente de áreas, departamentos ou projetos, mas, infelizmente, ainda são poucas aquelas que já conseguiram desenvolver uma verdadeira “cultura de liderança”. Explico: durante um bom tempo imperou a crença de que liderança se tratava de uma mera com...
Principais desafios de quem dirige uma empresa de serviços ​Estar à frente de uma indústria ou empresa do comércio é bem diferente de conduzir um negócio na área de serviços. Mas, afinal, o que muda? Se você é dono ou executivo de um hotel, banco, escritório contábil ou salão de beleza, quais são os grandes desafios comuns em jogo? Vamos entender cada um d...
Como lidar com seus pares Gente que costuma bater metas e tem um bom nível de proatividade de vez em quando me pergunta: “Por que é tão difícil contar com o apoio dos meus pares no dia a dia?” A resposta é simples: o êxito profissional de uma pessoa pode desagradar alguns indivíduos, sobretudo se ele ocupa um papel de média ...
Como conduzir uma reestruturação na sua empresa Inevitavelmente, nos últimos três anos, muitas empresas brasileiras tiveram que passar por algum tipo de reestruturação para se manter competitivas no mercado ou mesmo para aproveitar as janelas de oportunidades que surgiram com a economia em recessão. Algumas dessas companhias não foram bem-suce...
A agenda oculta nas organizações Alguns problemas organizacionais, mesmo podendo ser resolvidos rapidamente, às vezes acabam empurrados com a barriga durante vários meses sem um motivo aparente. É o caso daquele projeto que a direção dizia considerar importantíssimo, mas jamais saiu do papel. E daí vem a pergunta: Por que isso ocor...
Não precisamos saber de tudo​ Atualmente, uma das principais fontes de angústia dos trabalhadores é o fato de que, mesmo investindo em sua formação periodicamente, às vezes eles permanecem com aquela sensação de que “ainda há muita coisa a aprender”. Alguns chegam a dizer: “Afinal, quando estarei pronto?” Dias atrás, conheci ...
Os mitos da liderança Ainda hoje em dia muitas pessoas carregam uma visão bastante míope e orientada por falácias quando o assunto é liderança. Percebo isso em meu dia a dia ao trabalhar o tema nas empresas e dentre as várias afirmações equivocadas, quatro mitos sobressaem. Vamos a eles: – Liderança é um dom Há...
Trabalho significativo versus esforço inútil No mundo da mitologia grega, Sísifo ficou conhecido por empurrar uma pedra morro acima por toda a eternidade. O detalhe é que sempre que a pedra atingia o cume, rolava montanha abaixo e a tarefa tinha que ser repetida, invalidando todo o empenho anterior. É por isso que, nos dias de hoje, chamamos d...
Audácia ou aventura? As primeiras semanas do governo Donald Trump nos EUA realmente cumpriram as expectativas criadas desde a sua eleição. Mas o que todo mundo se pergunta é: o homem que está à frente do cargo mais poderoso do mundo é realmente audacioso ou apenas um aventureiro que, ao longo dos próximos anos...
Como escrever suas metas e tirá-las do papel Todo início de ano marca um rito de passagem para muita gente, já que costuma gerar promessas do tipo: “Eu vou voltar a estudar!”, “De agora em diante cuidarei da minha saúde!” e “Passarei mais tempo com os filhos!”, entre outras. Mas várias dessas resoluções de ano-novo continuam apenas como boas i...
A revolução dos liderados Quem ocupou posições de poder nas mais diferentes instituições – com destaque para o governo, exército, igreja e empresas – ao longo dos últimos séculos, geralmente comandou pessoas que batiam continência para aquilo que vinha de cima. No entanto, a realidade agora é outra: a geração atual de seguid...
Arrojo é a palavra-chave Há pelo menos dois anos, o Brasil vem sofrendo as consequências de uma grave crise econômica que provocou o fechamento de milhares de empresas país afora e levou muitas outras a tomar decisões difíceis, como corte de investimentos, redução de pessoal e fechamento de unidades inteiras. O efeito co...
Escute os hereges Assim que Arthur Martinez assumiu a direção da gigante americana do varejo Sears em 1993, tomou algumas decisões que mostraram que as coisas realmente estavam mudando na empresa. De início, ele promoveu pessoas que tinham sido ridicularizadas pelo CEO anterior por causa de suas opiniões cons...
O dilema dos executivos desempregados Quase 12 milhões de brasileiros estão sem emprego. A crise econômica vivida pelo país passou uma rasteira em trabalhadores que, até um passado recente, nem consideravam a possibilidade de perderem seus cargos. Alguns, inclusive, vivem a dor da demissão pela primeira vez. E neste bolo também estã...
Por que algumas pessoas não evoluem quando são treinadas? Muitos empresários ficam frustrados porque investem tempo e dinheiro em treinamentos para seus colaboradores e depois somente alguns deles melhoram a performance de verdade. Dentre os vários motivos que podem nos ajudar a explicar esse fenômeno, creio que o mais relevante é que as pessoas mantêm...
Características de uma boa estratégia O desembarque dos Aliados na região da Normandia, França, em 06 de junho de 1944 – o conhecido Dia D –, ainda hoje continua a ser um ótimo exemplo do que é uma boa estratégia e o que precisa ser feito para executá-la com sucesso em qualquer tipo de atividade empresarial. Sei que recorrer a exempl...
Empresa não precisa ser uma família “Aqui somos uma verdadeira família” é uma daquelas expressões que muitos gostam de utilizar para retratar a harmonia e a solidariedade existente na empresa onde trabalha, mas será que as companhias realmente devem se parecer com uma família? Hoje em dia grande parte dos trabalhadores busca mais d...
Todos precisamos de treinamento Quando a crise atingiu em cheio o Brasil, qual foi a primeira medida adotada pelas empresas? Começaram a cortar custos, certo? E dentre as despesas do topo da lista estavam aquelas vinculadas ao treinamento de pessoal, afinal boa parte das companhias ainda enxerga capacitação como “perfumaria”. O...
A busca desenfreada por líderes perfeitos Automotivação, controle emocional, coragem, resiliência, disciplina, determinação, organização e comportamento ético na esfera individual para demonstrar que também cuida de si mesmo. Capacidade de persuasão, empatia, transparecer confiança, cordialidade, eficácia na comunicação verbal e escrita e a...