Os “homi”” e os “cara””

17 de outubro de 2013

A comunicação aberta, a compreensão e o respeito são os fundamentos de uma relação de confiança entre líderes e liderados.

omi-caraEm muitas empresas os chefes são conhecidos por aqueles que lideram como os “homi”. E o que você pode fazer para descobrir se faz parte deste time de gestores? Passe pela produção num horário não convencional e fique atento aos inevitáveis sussurros. Se surgir algo do tipo “Lá vem o homi!” – bingo! –, também é um deles! E uma dica: se o silêncio sepulcral imperar enquanto estiver por ali… Bingo de novo!

Contudo, se você atualmente não é um líder formal, mas já presenciou ou até mesmo protagonizou este tipo de diálogo pode ser que faça parte do grupo que é visto pelo pessoal de cima como os “cara”. Aqueles que tendem a levar a culpa por tudo de errado que acontece na organização, sentem-se subjugados pelos superiores e adoram se fazer de vítimas.

Não é difícil constatar que os “homi” e os “cara” realmente se veem como habitantes de planetas diferentes e tampouco compreender porque eles julgam ter a certeza de que seu mundo seria muito melhor se os infelizes extraterrestres que trabalham há alguns metros dali simplesmente fossem abduzidos por alguma outra criatura espacial benevolente – para nunca mais voltar.

É que na visão dos “homi”, os funcionários da área operacional só fazem um trabalho razoável mediante recompensas de curto prazo e por isto se sentem usurpados por estes sempre que um esforço complementar é necessário. Em contrapartida, para os colaboradores em questão, tudo aquilo que vem dos “homi” parece ser arquitetado para ferrar com eles.

líderes e lideradosPode-se esperar um certo distanciamento entre , afinal há sensíveis distinções entre os papéis e responsabilidades de cada nível hierárquico organizacional e quem insiste em não enxergá-las corrobora ainda mais para que a desconfiança impere em sua companhia. Ou seja, aquele velho discurso de “aqui somos todos iguais”, além de soar como hipocrisia barata na imensa maioria das empresas, reforça a descrença geral em tempos melhores.

Semanas atrás, uma pessoa que assumiu o primeiro cargo de liderança em sua carreira, veio conversar comigo lamentando: “Depois que me tornei chefe as pessoas dizem que não sou mais o mesmo, pois parei de caçoar das coisas erradas que acontecem na firma e me transformei em alguém muito mais sério”. Sinceramente, só consegui dizer: “Parabéns, você está conseguindo agir como um líder! Continue neste caminho”. E pensei com meus botões: “Ainda bem que ele não é mais o mesmo…”

Os “homi” e os “cara” não são reflexo da hierarquia formal existente e sim dos sinais que o topo transmite à base no dia a dia. Assim, se você mantém a porta da sua sala sempre trancada, faz visitas à fábrica somente quando acontece algum tipo de erro e se sente um peixe fora d’água na confraternização de fim de ano do pessoal da produção, tudo leva a crer que seja visto como “homi” e os trate como os “cara”.

Nos ambientes em que as pessoas são estimuladas a expressar suas ideias e opiniões abertamente, com respeito e sem o temor de represálias é difícil escutarmos este tipo de expressão, pois ali os indivíduos se conhecem e compreendem melhor uns aos outros. E com o perdão da redundância: somente se comunicando, compreendendo e se respeitando é que os membros de uma equipe de trabalho constroemrelações de confiança.

Isto me faz lembrar uma passagem interessante. Segundo consta, certa vez Abraham Lincoln conversou com um soldado de baixa patente durante alguns minutos e o capitão daquela tropa percebeu que algo havia desagradado o presidente americano. Aproximando-se dele, indagou: “Senhor presidente, aquele soldado o insultou ou o incomodou de algum modo?” E Lincoln respondeu: “É a segunda vez que encontro este homem e não consigo gostar dele”.

Solícito, o capitão perguntou a seguir: “O que o senhor quer que eu faça com ele?” E Lincoln concluiu serenamente: “Nada. Eu só preciso conhecê-lo melhor. Certamente há algo de bom neste homem e eu ainda não consegui descobrir”.

Palestrante e consultor empresarial especialista em Formação de Lideranças, Desenvolvimento Gerencial e Gestão Estratégica, também é professor universitário em cursos de pós-graduação. Mestre em Administração de Empresas, possui MBA em Gestão Estratégica de Pessoas e é autor dos livros "Líder tático" e "O gerente intermediário", ambos publicados pela Ed. Qualitymark.

Você também irá gostar de ler:

Muitas empresas têm líderes, poucas têm liderança A imensa maioria das companhias conta com líderes à frente de áreas, departamentos ou projetos, mas, infelizmente, ainda são poucas aquelas que já conseguiram desenvolver uma verdadeira “cultura de liderança”. Explico: durante um bom tempo imperou a crença de que liderança se tratava de uma mera com...
Principais desafios de quem dirige uma empresa de serviços ​Estar à frente de uma indústria ou empresa do comércio é bem diferente de conduzir um negócio na área de serviços. Mas, afinal, o que muda? Se você é dono ou executivo de um hotel, banco, escritório contábil ou salão de beleza, quais são os grandes desafios comuns em jogo? Vamos entender cada um d...
Como lidar com seus pares Gente que costuma bater metas e tem um bom nível de proatividade de vez em quando me pergunta: “Por que é tão difícil contar com o apoio dos meus pares no dia a dia?” A resposta é simples: o êxito profissional de uma pessoa pode desagradar alguns indivíduos, sobretudo se ele ocupa um papel de média ...
Como aprender mais rápido e melhor Com um mundo cada vez mais veloz e repleto de inovações disruptivas, precisamos encontrar formas de absorver o que há de novo para não ficarmos defasados em nossa área de atuação. Mas, em meio a tanta informação e conhecimento disponíveis, o que fazer para aprender mais rápido e melhor? A primeir...
Como conduzir uma reestruturação na sua empresa Inevitavelmente, nos últimos três anos, muitas empresas brasileiras tiveram que passar por algum tipo de reestruturação para se manter competitivas no mercado ou mesmo para aproveitar as janelas de oportunidades que surgiram com a economia em recessão. Algumas dessas companhias não foram bem-suce...
A agenda oculta nas organizações Alguns problemas organizacionais, mesmo podendo ser resolvidos rapidamente, às vezes acabam empurrados com a barriga durante vários meses sem um motivo aparente. É o caso daquele projeto que a direção dizia considerar importantíssimo, mas jamais saiu do papel. E daí vem a pergunta: Por que isso ocor...
Não precisamos saber de tudo​ Atualmente, uma das principais fontes de angústia dos trabalhadores é o fato de que, mesmo investindo em sua formação periodicamente, às vezes eles permanecem com aquela sensação de que “ainda há muita coisa a aprender”. Alguns chegam a dizer: “Afinal, quando estarei pronto?” Dias atrás, conheci ...
Os mitos da liderança Ainda hoje em dia muitas pessoas carregam uma visão bastante míope e orientada por falácias quando o assunto é liderança. Percebo isso em meu dia a dia ao trabalhar o tema nas empresas e dentre as várias afirmações equivocadas, quatro mitos sobressaem. Vamos a eles: – Liderança é um dom Há...
Trabalho significativo versus esforço inútil No mundo da mitologia grega, Sísifo ficou conhecido por empurrar uma pedra morro acima por toda a eternidade. O detalhe é que sempre que a pedra atingia o cume, rolava montanha abaixo e a tarefa tinha que ser repetida, invalidando todo o empenho anterior. É por isso que, nos dias de hoje, chamamos d...
Audácia ou aventura? As primeiras semanas do governo Donald Trump nos EUA realmente cumpriram as expectativas criadas desde a sua eleição. Mas o que todo mundo se pergunta é: o homem que está à frente do cargo mais poderoso do mundo é realmente audacioso ou apenas um aventureiro que, ao longo dos próximos anos...
Como escrever suas metas e tirá-las do papel Todo início de ano marca um rito de passagem para muita gente, já que costuma gerar promessas do tipo: “Eu vou voltar a estudar!”, “De agora em diante cuidarei da minha saúde!” e “Passarei mais tempo com os filhos!”, entre outras. Mas várias dessas resoluções de ano-novo continuam apenas como boas i...
A revolução dos liderados Quem ocupou posições de poder nas mais diferentes instituições – com destaque para o governo, exército, igreja e empresas – ao longo dos últimos séculos, geralmente comandou pessoas que batiam continência para aquilo que vinha de cima. No entanto, a realidade agora é outra: a geração atual de seguid...
Arrojo é a palavra-chave Há pelo menos dois anos, o Brasil vem sofrendo as consequências de uma grave crise econômica que provocou o fechamento de milhares de empresas país afora e levou muitas outras a tomar decisões difíceis, como corte de investimentos, redução de pessoal e fechamento de unidades inteiras. O efeito co...
Escute os hereges Assim que Arthur Martinez assumiu a direção da gigante americana do varejo Sears em 1993, tomou algumas decisões que mostraram que as coisas realmente estavam mudando na empresa. De início, ele promoveu pessoas que tinham sido ridicularizadas pelo CEO anterior por causa de suas opiniões cons...
O dilema dos executivos desempregados Quase 12 milhões de brasileiros estão sem emprego. A crise econômica vivida pelo país passou uma rasteira em trabalhadores que, até um passado recente, nem consideravam a possibilidade de perderem seus cargos. Alguns, inclusive, vivem a dor da demissão pela primeira vez. E neste bolo também estã...
Por que algumas pessoas não evoluem quando são treinadas? Muitos empresários ficam frustrados porque investem tempo e dinheiro em treinamentos para seus colaboradores e depois somente alguns deles melhoram a performance de verdade. Dentre os vários motivos que podem nos ajudar a explicar esse fenômeno, creio que o mais relevante é que as pessoas mantêm...
Características de uma boa estratégia O desembarque dos Aliados na região da Normandia, França, em 06 de junho de 1944 – o conhecido Dia D –, ainda hoje continua a ser um ótimo exemplo do que é uma boa estratégia e o que precisa ser feito para executá-la com sucesso em qualquer tipo de atividade empresarial. Sei que recorrer a exempl...
Empresa não precisa ser uma família “Aqui somos uma verdadeira família” é uma daquelas expressões que muitos gostam de utilizar para retratar a harmonia e a solidariedade existente na empresa onde trabalha, mas será que as companhias realmente devem se parecer com uma família? Hoje em dia grande parte dos trabalhadores busca mais d...
Todos precisamos de treinamento Quando a crise atingiu em cheio o Brasil, qual foi a primeira medida adotada pelas empresas? Começaram a cortar custos, certo? E dentre as despesas do topo da lista estavam aquelas vinculadas ao treinamento de pessoal, afinal boa parte das companhias ainda enxerga capacitação como “perfumaria”. O...
A busca desenfreada por líderes perfeitos Automotivação, controle emocional, coragem, resiliência, disciplina, determinação, organização e comportamento ético na esfera individual para demonstrar que também cuida de si mesmo. Capacidade de persuasão, empatia, transparecer confiança, cordialidade, eficácia na comunicação verbal e escrita e a...