Os 5% que fazem a diferença na liderança

10 de janeiro de 2014

Gestores eficazes são aqueles que têm a capacidade intelectual de tomar boas decisões e implementá-las em ambientes ambíguos, complexos e não quantificáveis.

Ao assumir o posto de presidente do banco Chase Manhattan, Williard C. Butch recebeu o seguinte alerta de seu amigo Marion Folsom, outro alto executivo na época: “Você vai descobrir que 95% de todas as decisões que tomará em sua carreira daqui em diante poderiam ser tomadas também por um aluno do segundo ano do ensino médio razoavelmente inteligente. Mas você será pago pelos outros 5%”.

Temos que concordar que Folsom foi preciso em sua afirmação. Se você acompanhar durante algum tempo o dia a dia de alguém que tem cargo de alta direção numa média ou grande empresa, verá que a rotina dele é composta por um sem-número de deliberações que boa parte das pessoas de bom senso também daria conta. O problema é saber lidar com aquelas questões capciosas que pedem mais do que o bom senso.

Uma coisa é clara nos dias atuais: grandes líderes são aqueles que têm a capacidade intelectual de tomar boas decisões e implementá-las em ambientes ambíguos, complexos e não quantificáveis. Ou seja, que permanecem competentes ao lidar com situações que fogem à sua rotina e sobre as quais a maioria das pessoas só sabe se questionar: “Aonde eu fui me meter?”

O líder tem de fazer diferença nas ocasiões em que seu time não consegue agir sem direcionamento. Quando, mesmo contando com uma equipe afinada e proativa, vê que eles recorrem a você porque não sabem o que fazer naquele caso concreto que foge a tudo que já está padronizado. É aí que um gestor descobre que os seus 5% estão batendo à porta.

Tive a oportunidade de atender algumas empresas em crescimento que não conseguiam saber quem eram seus melhores líderes, afinal todos batiam as metas e pareciam ser ótimos. Elas só descobriram os mais talentosos quando a maré boa passou e os resultados da maioria despencaram assombrosamente.

Eis aí um valioso aprendizado: se as coisas vão bem para todo mundo é muito difícil saber quem é competente e quem apenas está aproveitando a boa dose de sorte que tem. Aliás, não existe demérito algum em valer-se de estar no lugar certo na hora certa, só é preciso ter em mente que provamos o nível de competência de alguém na crise e não em tempos de bonança.

É nesta hora que muitos se desesperam e transmitem o despreparo emocional para o time. Que deixam a aparente sensatez de lado e começam a tomar decisões contraditórias em questão de horas ou ficam paralisados por não saberem o que fazer e transparecem à equipe que todos navegam num barco à deriva.

Mas será que é possível preparar-se para lidar com as situações ambíguas, complexas e não quantificáveis que aparecem pela frente quando menos se espera? É claro que não existe uma receita de sucesso, mas duas atitudes podem amadurecê-lo para enfrentar a incerteza.

A primeira delas é mudar um número considerável das principais obrigações e responsabilidades a cada dois ou três anos. Isso o força a adquirir novas habilidades e a manter-se aprendendo sempre, além de proporcionar experiências profissionais pelas quais possivelmente não passaria caso se mantivesse em sua zona de conforto.

Uma outra boa ideia é buscar posições de liderança fora do trabalho, sobretudo em atividades de voluntariado. Ao colocar-se à frente de um grupo na igreja que frequenta, associação de classe, comunidade de bairro ou no clube esportivo, por exemplo, é quase certo que suas habilidades na gestão de pessoas serão muitas exigidas, afinal os colaboradores que estão ali não são seus empregados nem recebem salário. Além, é óbvio, de você poder contribuir efetivamente com a causa principal que o levou até lá.

Desacomodar-se é a palavra-chave. Ninguém é capaz de prever todas as decisões daquela parcela de 5% que terá de tomar durante as próximas semanas ou meses, mas certamente é possível adquirir um leque de novas perspectivas que serão úteis na hora H.

Palestrante e consultor empresarial especialista em Formação de Lideranças, Desenvolvimento Gerencial e Gestão Estratégica, também é professor universitário em cursos de pós-graduação. Mestre em Administração de Empresas, possui MBA em Gestão Estratégica de Pessoas e é autor dos livros "Líder tático" e "O gerente intermediário", ambos publicados pela Ed. Qualitymark.

Você também irá gostar de ler:

Principais desafios de quem dirige uma empresa de serviços ​Estar à frente de uma indústria ou empresa do comércio é bem diferente de conduzir um negócio na área de serviços. Mas, afinal, o que muda? Se você é dono ou executivo de um hotel, banco, escritório contábil ou salão de beleza, quais são os grandes desafios comuns em jogo? Vamos entender cada um d...
Como lidar com seus pares Gente que costuma bater metas e tem um bom nível de proatividade de vez em quando me pergunta: “Por que é tão difícil contar com o apoio dos meus pares no dia a dia?” A resposta é simples: o êxito profissional de uma pessoa pode desagradar alguns indivíduos, sobretudo se ele ocupa um papel de média ...
Como aprender mais rápido e melhor Com um mundo cada vez mais veloz e repleto de inovações disruptivas, precisamos encontrar formas de absorver o que há de novo para não ficarmos defasados em nossa área de atuação. Mas, em meio a tanta informação e conhecimento disponíveis, o que fazer para aprender mais rápido e melhor? A primeir...
Como conduzir uma reestruturação na sua empresa Inevitavelmente, nos últimos três anos, muitas empresas brasileiras tiveram que passar por algum tipo de reestruturação para se manter competitivas no mercado ou mesmo para aproveitar as janelas de oportunidades que surgiram com a economia em recessão. Algumas dessas companhias não foram bem-suce...
A agenda oculta nas organizações Alguns problemas organizacionais, mesmo podendo ser resolvidos rapidamente, às vezes acabam empurrados com a barriga durante vários meses sem um motivo aparente. É o caso daquele projeto que a direção dizia considerar importantíssimo, mas jamais saiu do papel. E daí vem a pergunta: Por que isso ocor...
Não precisamos saber de tudo​ Atualmente, uma das principais fontes de angústia dos trabalhadores é o fato de que, mesmo investindo em sua formação periodicamente, às vezes eles permanecem com aquela sensação de que “ainda há muita coisa a aprender”. Alguns chegam a dizer: “Afinal, quando estarei pronto?” Dias atrás, conheci ...
Os mitos da liderança Ainda hoje em dia muitas pessoas carregam uma visão bastante míope e orientada por falácias quando o assunto é liderança. Percebo isso em meu dia a dia ao trabalhar o tema nas empresas e dentre as várias afirmações equivocadas, quatro mitos sobressaem. Vamos a eles: – Liderança é um dom Há...
Trabalho significativo versus esforço inútil No mundo da mitologia grega, Sísifo ficou conhecido por empurrar uma pedra morro acima por toda a eternidade. O detalhe é que sempre que a pedra atingia o cume, rolava montanha abaixo e a tarefa tinha que ser repetida, invalidando todo o empenho anterior. É por isso que, nos dias de hoje, chamamos d...
Audácia ou aventura? As primeiras semanas do governo Donald Trump nos EUA realmente cumpriram as expectativas criadas desde a sua eleição. Mas o que todo mundo se pergunta é: o homem que está à frente do cargo mais poderoso do mundo é realmente audacioso ou apenas um aventureiro que, ao longo dos próximos anos...
Como escrever suas metas e tirá-las do papel Todo início de ano marca um rito de passagem para muita gente, já que costuma gerar promessas do tipo: “Eu vou voltar a estudar!”, “De agora em diante cuidarei da minha saúde!” e “Passarei mais tempo com os filhos!”, entre outras. Mas várias dessas resoluções de ano-novo continuam apenas como boas i...
A revolução dos liderados Quem ocupou posições de poder nas mais diferentes instituições – com destaque para o governo, exército, igreja e empresas – ao longo dos últimos séculos, geralmente comandou pessoas que batiam continência para aquilo que vinha de cima. No entanto, a realidade agora é outra: a geração atual de seguid...
Arrojo é a palavra-chave Há pelo menos dois anos, o Brasil vem sofrendo as consequências de uma grave crise econômica que provocou o fechamento de milhares de empresas país afora e levou muitas outras a tomar decisões difíceis, como corte de investimentos, redução de pessoal e fechamento de unidades inteiras. O efeito co...
Escute os hereges Assim que Arthur Martinez assumiu a direção da gigante americana do varejo Sears em 1993, tomou algumas decisões que mostraram que as coisas realmente estavam mudando na empresa. De início, ele promoveu pessoas que tinham sido ridicularizadas pelo CEO anterior por causa de suas opiniões cons...
O dilema dos executivos desempregados Quase 12 milhões de brasileiros estão sem emprego. A crise econômica vivida pelo país passou uma rasteira em trabalhadores que, até um passado recente, nem consideravam a possibilidade de perderem seus cargos. Alguns, inclusive, vivem a dor da demissão pela primeira vez. E neste bolo também estã...
Por que algumas pessoas não evoluem quando são treinadas? Muitos empresários ficam frustrados porque investem tempo e dinheiro em treinamentos para seus colaboradores e depois somente alguns deles melhoram a performance de verdade. Dentre os vários motivos que podem nos ajudar a explicar esse fenômeno, creio que o mais relevante é que as pessoas mantêm...
Características de uma boa estratégia O desembarque dos Aliados na região da Normandia, França, em 06 de junho de 1944 – o conhecido Dia D –, ainda hoje continua a ser um ótimo exemplo do que é uma boa estratégia e o que precisa ser feito para executá-la com sucesso em qualquer tipo de atividade empresarial. Sei que recorrer a exempl...
Empresa não precisa ser uma família “Aqui somos uma verdadeira família” é uma daquelas expressões que muitos gostam de utilizar para retratar a harmonia e a solidariedade existente na empresa onde trabalha, mas será que as companhias realmente devem se parecer com uma família? Hoje em dia grande parte dos trabalhadores busca mais d...
Todos precisamos de treinamento Quando a crise atingiu em cheio o Brasil, qual foi a primeira medida adotada pelas empresas? Começaram a cortar custos, certo? E dentre as despesas do topo da lista estavam aquelas vinculadas ao treinamento de pessoal, afinal boa parte das companhias ainda enxerga capacitação como “perfumaria”. O...
A busca desenfreada por líderes perfeitos Automotivação, controle emocional, coragem, resiliência, disciplina, determinação, organização e comportamento ético na esfera individual para demonstrar que também cuida de si mesmo. Capacidade de persuasão, empatia, transparecer confiança, cordialidade, eficácia na comunicação verbal e escrita e a...
Fuja das fórmulas milagrosas Já pensou em adquirir fluência no idioma inglês em apenas dez meses com um método interativo e divertido? Ou que tal perder 15 quilos nos próximos sessenta dias seguindo três receitas básicas sem ter que deixar seus pratos prediletos fora do cardápio? O tempo todo nos deparamos com anúncios do tipo,...