O velho e o novo jeito de liderar

16 de dezembro de 2013

Simbolizado pelo uso frequente de recompensas, ameaças e punições, este estilo de liderança já está com os seus dias contados.

bad-bossA geração atual de líderes divide-se entre aqueles que ainda fazem uso das estratégias de controle comuns ao modelo hierárquico-militar e quem escolheu o caminho de conduzir as pessoas sustentado por um propósito claro, inspirador e significativo.

Mas, como identificar cada um deles? O velho jeito de liderar é caracterizado pelo uso frequente de recompensas, ameaças e punições por parte daquele que está no topo e se apoia na força do cargo para determinar a concessão de vantagens ou penalidades aos seus subordinados.

Se prestarmos atenção, esta abordagem de liderançatambém é parecida com a forma pela qual muitos pais tratam seus filhos. “Se você passar de ano na escola vou te dar um videogame”, “se você não comer tudo não terá sobremesa’’ ou “já que não fez o dever de casa ficará de castigo” são apenas alguns dos exemplos. Ou seja, em vez de educar – afinal, dá muito trabalho – preferem submetê-los a um sem-número de normas e suas consequências, afinal funciona no curto prazo.

Nas corporações não é diferente. Muitos líderes reclamam que seus funcionários costumam perguntar “o que eu ganho com isto?” sempre que lhes é solicitado algum tipo de trabalho adicional, contudo esquecem que eles mesmos viciaram a relação com os liderados ao recompensá-los pelos motivos errados. Ou seja, estas pessoas não são mercenárias, elas só estão pedindo que as regras do jogo sejam mantidas.

Também não é incomum encontrarmos líderes organizacionais que recorrem a ameaças de toda espécie para manter o controle do grupo. Numa hora advertem que as férias desejadas para janeiro ficarão para maio se determinada tarefa não for concluída pelo colaborador até o final da semana, noutra dão a entender que uma demissão em massa não será descartada caso o grupo deixe de bater as metas e daí por adiante. A velha história de instalar o “terror do talvez-e-muito-provavelmente”.

Punir é outra saída encontrada por quem não possui argumentos suficientes para lidar com as resistências internas, exime-se da parcela de responsabilidade que lhe cabe pelo baixo engajamento das pessoas ou quer manter o grupo doutrinado. Se você trabalha numa empresa assim, sabe: primeira apanha e, com muita sorte, depois de algum tempo descobre porque foi surrado. E é claro, o melhor feedback é não receber feedback.

No curto prazo, liderar ancorado em recompensas, ameaças ou punições pode até funcionar, mas com o passar do tempo estes artifícios perdem a força de submeter as pessoas aos caprichos de quem tem poder. Além do mais, utilizar qualquer perna deste tripé dá um trabalhão e tanto, afinal você precisará encontrar novas formas de premiá-las, aumentar seu leque de chantagens impactantes e/ou montar uma vara de execuções penais para fazer cumprir os diferentes castigos instituídos para quem sai da linha.

O novo jeito de liderar exige que você confira propósito e significado àquilo que as pessoas fazem para não ter de comprar seu comprometimento, atue com transparência total quando as coisas não vão bem em vez de ameaçá-las e assuma a responsabilidade que lhe cabe pelo sucesso ou insucesso do time.

Como esperar que as pessoas se importem em fazer aquilo que é certo sem receber algo em troca no curto prazo quando elas não participam das decisões nem sabem para onde estão sendo conduzidas? Como almejar que seu potencial flua se convivem com a insegurança permanente acerca do amanhã? E, mais do que tudo, como imaginar que se arriscarão quando temem que suas iniciativas sejam punidas adiante se as ideias naufragarem?

O trabalho medíocre deve ser repreendido com vigor e o desempenho fantástico recompensado na mesma medida – tanto emocional quanto financeiramente – pelas organizações, pois coerência e justiça ajudam a construir o respeito necessário para se liderar pessoas. Por outro lado, apegar-se ao tripé da velha liderança só revela a imaturidade de quem não compreendeu o seu verdadeiro papel.

Liderança ontem e hoje

Velho paradigma Novo paradigma
Recompensas para motivar o resultado de curto prazo Propósito significativo e inspirador que perdure ao longo do tempo
Ameaças acerca do amanhã visando manter as rédeas do grupo Transparência absoluta, tanto nos momentos bons quanto nos ruins
Punição exemplar dos erros dos liderados Responsabilidade compartilhada com os liderados nos erros e celebração conjunta das vitórias
Palestrante e consultor empresarial especialista em Formação de Lideranças, Desenvolvimento Gerencial e Gestão Estratégica, também é professor universitário em cursos de pós-graduação. Mestre em Administração de Empresas, possui MBA em Gestão Estratégica de Pessoas e é autor dos livros "Líder tático" e "O gerente intermediário", ambos publicados pela Ed. Qualitymark.

Você também irá gostar de ler:

A onda da palpitaria Sempre lembro da história da mulher que chegou até o pianista Arthur Moreira Lima ao final de um concerto dizendo que jamais havia visto alguém tocar tão bem e que, se pudesse, daria a própria vida para ser genial como ele. E no mesmo instante ouviu o músico dizer: “Foi exatamente isso o que eu ...
Muitas empresas têm líderes, poucas têm liderança A imensa maioria das companhias conta com líderes à frente de áreas, departamentos ou projetos, mas, infelizmente, ainda são poucas aquelas que já conseguiram desenvolver uma verdadeira “cultura de liderança”. Explico: durante um bom tempo imperou a crença de que liderança se tratava de uma mera com...
Principais desafios de quem dirige uma empresa de serviços ​Estar à frente de uma indústria ou empresa do comércio é bem diferente de conduzir um negócio na área de serviços. Mas, afinal, o que muda? Se você é dono ou executivo de um hotel, banco, escritório contábil ou salão de beleza, quais são os grandes desafios comuns em jogo? Vamos entender cada um d...
Como lidar com seus pares Gente que costuma bater metas e tem um bom nível de proatividade de vez em quando me pergunta: “Por que é tão difícil contar com o apoio dos meus pares no dia a dia?” A resposta é simples: o êxito profissional de uma pessoa pode desagradar alguns indivíduos, sobretudo se ele ocupa um papel de média ...
Como aprender mais rápido e melhor Com um mundo cada vez mais veloz e repleto de inovações disruptivas, precisamos encontrar formas de absorver o que há de novo para não ficarmos defasados em nossa área de atuação. Mas, em meio a tanta informação e conhecimento disponíveis, o que fazer para aprender mais rápido e melhor? A primeir...
Como conduzir uma reestruturação na sua empresa Inevitavelmente, nos últimos três anos, muitas empresas brasileiras tiveram que passar por algum tipo de reestruturação para se manter competitivas no mercado ou mesmo para aproveitar as janelas de oportunidades que surgiram com a economia em recessão. Algumas dessas companhias não foram bem-suce...
A agenda oculta nas organizações Alguns problemas organizacionais, mesmo podendo ser resolvidos rapidamente, às vezes acabam empurrados com a barriga durante vários meses sem um motivo aparente. É o caso daquele projeto que a direção dizia considerar importantíssimo, mas jamais saiu do papel. E daí vem a pergunta: Por que isso ocor...
Não precisamos saber de tudo​ Atualmente, uma das principais fontes de angústia dos trabalhadores é o fato de que, mesmo investindo em sua formação periodicamente, às vezes eles permanecem com aquela sensação de que “ainda há muita coisa a aprender”. Alguns chegam a dizer: “Afinal, quando estarei pronto?” Dias atrás, conheci ...
Os mitos da liderança Ainda hoje em dia muitas pessoas carregam uma visão bastante míope e orientada por falácias quando o assunto é liderança. Percebo isso em meu dia a dia ao trabalhar o tema nas empresas e dentre as várias afirmações equivocadas, quatro mitos sobressaem. Vamos a eles: – Liderança é um dom Há...
Trabalho significativo versus esforço inútil No mundo da mitologia grega, Sísifo ficou conhecido por empurrar uma pedra morro acima por toda a eternidade. O detalhe é que sempre que a pedra atingia o cume, rolava montanha abaixo e a tarefa tinha que ser repetida, invalidando todo o empenho anterior. É por isso que, nos dias de hoje, chamamos d...
Audácia ou aventura? As primeiras semanas do governo Donald Trump nos EUA realmente cumpriram as expectativas criadas desde a sua eleição. Mas o que todo mundo se pergunta é: o homem que está à frente do cargo mais poderoso do mundo é realmente audacioso ou apenas um aventureiro que, ao longo dos próximos anos...
Como escrever suas metas e tirá-las do papel Todo início de ano marca um rito de passagem para muita gente, já que costuma gerar promessas do tipo: “Eu vou voltar a estudar!”, “De agora em diante cuidarei da minha saúde!” e “Passarei mais tempo com os filhos!”, entre outras. Mas várias dessas resoluções de ano-novo continuam apenas como boas i...
A revolução dos liderados Quem ocupou posições de poder nas mais diferentes instituições – com destaque para o governo, exército, igreja e empresas – ao longo dos últimos séculos, geralmente comandou pessoas que batiam continência para aquilo que vinha de cima. No entanto, a realidade agora é outra: a geração atual de seguid...
Arrojo é a palavra-chave Há pelo menos dois anos, o Brasil vem sofrendo as consequências de uma grave crise econômica que provocou o fechamento de milhares de empresas país afora e levou muitas outras a tomar decisões difíceis, como corte de investimentos, redução de pessoal e fechamento de unidades inteiras. O efeito co...
Escute os hereges Assim que Arthur Martinez assumiu a direção da gigante americana do varejo Sears em 1993, tomou algumas decisões que mostraram que as coisas realmente estavam mudando na empresa. De início, ele promoveu pessoas que tinham sido ridicularizadas pelo CEO anterior por causa de suas opiniões cons...
O dilema dos executivos desempregados Quase 12 milhões de brasileiros estão sem emprego. A crise econômica vivida pelo país passou uma rasteira em trabalhadores que, até um passado recente, nem consideravam a possibilidade de perderem seus cargos. Alguns, inclusive, vivem a dor da demissão pela primeira vez. E neste bolo também estã...
Por que algumas pessoas não evoluem quando são treinadas? Muitos empresários ficam frustrados porque investem tempo e dinheiro em treinamentos para seus colaboradores e depois somente alguns deles melhoram a performance de verdade. Dentre os vários motivos que podem nos ajudar a explicar esse fenômeno, creio que o mais relevante é que as pessoas mantêm...
Características de uma boa estratégia O desembarque dos Aliados na região da Normandia, França, em 06 de junho de 1944 – o conhecido Dia D –, ainda hoje continua a ser um ótimo exemplo do que é uma boa estratégia e o que precisa ser feito para executá-la com sucesso em qualquer tipo de atividade empresarial. Sei que recorrer a exempl...
Empresa não precisa ser uma família “Aqui somos uma verdadeira família” é uma daquelas expressões que muitos gostam de utilizar para retratar a harmonia e a solidariedade existente na empresa onde trabalha, mas será que as companhias realmente devem se parecer com uma família? Hoje em dia grande parte dos trabalhadores busca mais d...
Todos precisamos de treinamento Quando a crise atingiu em cheio o Brasil, qual foi a primeira medida adotada pelas empresas? Começaram a cortar custos, certo? E dentre as despesas do topo da lista estavam aquelas vinculadas ao treinamento de pessoal, afinal boa parte das companhias ainda enxerga capacitação como “perfumaria”. O...